4 de mar de 2014

SME-SP - Edital para Professor de Educação Infantil e Fundamental I Ficará para o Segundo Semestre

28/02/2014
SME-SP: Edital de professor ficará para o segundo semestre, afirma secretário
O edital do concurso para professor de educação infantil e ensino fundamental I da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo será divulgado somente no segundo semestre deste ano. A informação foi confirmada pelo secretário da pasta, Cesar Callegari, durante o evento de lançamento da Revista Magistério, realizado no último dia 25, na capital paulista.
Inicialmente, a previsão era de que o documento sairia ainda no primeiro semestre. No entanto, a comissão do certame ainda está sendo formada. “O edital deve ficar para o semestre que vem, porque isso tem que ser preparado com muito cuidado e não pode ser de improviso. Um concurso bem estruturado é uma forma de induzir a preparação dos profissionais da educação que queiram ingressar na rede pública de São Paulo”, disse Callegari.
A oferta do concurso será de 3.514 vagas. Para concorrer ao cargo é necessário contar com formação específica para a função, comprovada através da apresentação de diploma registrado da habilitação para o Magistério correspondente ao ensino médio, Licenciatura Plena em Pedagogia, ou Curso Normal Superior. A contratação terá duas competências como foco: alfabetização e habilidades na educação infantil.
Atualmente, a remuneração da categoria pode chegar a R$3.075,53, para uma jornada de 30 horas semanais. O valor inclui o salário, de R$2.345,17, e, benefícios, como auxílio-refeição, no valor de R$296,12 (média de 22 dias), auxílio-transporte de R$177,12 e vale alimentação, no valor de R$257,12. Alguns profissionais ainda contam com gratificação de difícil acesso, que pode variar de R$84,21 a R$140,34.
De acordo com o secretário, no momento, o órgão pesquisa os elementos que devem fazer parte do conteúdo programático da seleção. “Há muita coisa nova na educação infantil no Brasil, muitos avanços provenientes das novas diretrizes curriculares e vários documentos que foram formulados pelo Ministério de Educação e pelo Conselho Nacional de Educação, além das experiências que têm sido acumuladas na rede pública municipal de São Paulo”, frisou.
Além disso, Callegari também destacou as mudanças recentes no ensino fundamental, inclusive estruturais, com a implantação do Programa Mais Educação em São Paulo. “Entre estas novidades está o estabelecimento dos direitos de aprendizagem para o ciclo de alfabetização, que já está em operação na rede municipal”, afirma. “No que diz respeito ao ensino fundamental, que agora se estrutura em três ciclos na cidade de São Paulo - ciclo de alfabetização, interdisciplinar e autoral – pretendemos que os documentos relacionados a essa mudança estrutural sejam disponibilizados para os interessados em participar do concurso, porque iremos exigir sua compreensão crítica”, acrescentou.
No momento, a SME, juntamente com a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Sempla), está trabalhando para a escolha da empresa organizadora. Além da divulgação do edital, a aplicação das provas também deve acontecer no segundo semestre de 2014. Segundo Callegari, a intenção é contar com os novos professores no ano que vem. “Estamos fazendo o concurso, porque precisamos destes professores. Muitas necessidades estão sendo supridas pela contratação autorizada pelo prefeito de professores por prazo determinado, mas nosso desejo é que esses professores comecem a ingressar de fato na rede para o exercício do ano letivo de 2015”, salientou.
Outros concursos
Além do concurso já autorizado para professor de educação infantil e fundamental I, o secretário destacou que, por conta da expansão da rede, planeja realizar seleções também para outros cargos, como diretor de escola e supervisor. “Será para preencher vagas existentes, como também para projeção da expansão da rede nos próximos anos”, disse.
Em entrevista recente à FOLHA DIRIGIDA, o presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal de São Paulo (Simpeem), Cláudio Fonseca, já havia destacado a necessidade de um novo concurso para diretor. “Estamos reivindicando que a Prefeitura também realize um concurso para diretor, pois já existem 5% de cargos vagos”, afirmou.
Fonte - Folha Dirigida
Grupo de Estudos